quinta-feira, 14 de maio de 2009

DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO

Um bar e muitos, muitos papéis
Nem me lembro quando, porque sou distraída
Não dei atenção e o tempo passou
Os dias, meses, anos já!
Um dia aqui, outro dia ali e depois mais um
Sempre foi assim. Devagar. Com cuidado.
Construindo no coração uma amizade pequenininha
Como quem não quer nada, como quem nem liga
E eu, distraída!
Quando me dei conta, lá estava você, dentro do coração
Agora, olhando prá trás, entendo tudo
Entendo melhor a mim mesma mas ainda não sei se entendo você
Mesmo a seu lado, te sentia tão distante. Às vezes calado. Sempre sério demais.
Queria o som de uma gargalhada! Mas nunca ouvi....
Quando mais precisei, lá estava. Quantas vezes? Uma? Duas? Todas!
Tantas coisas fizemos juntos. Tantas outras ficamos por fazer.
Lembro de todas as luzes na grande avenida, das noites, dos dias.
Agora aí está você! Do outro lado do mundo.
Descobrindo a si mesmo novamente.
Ainda será o mesmo?
Por aqui, meu amigo, tanta coisa se passou...

para CATF

Um comentário:

  1. É, realmente muita coisa muda, quer queiramos ou não. Algumas vezes muda para melhor, outras para pior, e assim é a vida. É como uma mãe que perde um filho, quer por morte natural ou acidental, o tempo passa, concebe outro e a vida continua. É como a mulher que perde o marido, quer por morte natural ou acidental, o tempo passa, arranja outro, casa novamente e a vida continua.

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderExcluir