segunda-feira, 3 de agosto de 2009

DO CONHECIMENTO DE SI

Então, um homem disse-lhe:

Fala-nos do conhecimento de si.

E ele respondeu:
Os vossos corações conhecem, no silêncio,
os segredos dos dias e das noites.
Mas os vossos ouvidos têm sede de ouvir
finalmente o eco do saber dos vossos corações.

Gostaríeis de saber pelo verbo o que
sempre soubeste pelo pensamento.
Gostaríeis de sentir com os dedos
o corpo nu dos vossos sonhos.
E está certo que assim o queirais.

A fonte oculta da vossa alma
deve necessariamente jorrar
e correr a murmurar para o mar;
e o tesouro das vossas profundezas infinitas
revelar-se aos vossos olhos.
Mas que não haja balança
que pese o vosso tesouro desconhecido;
e não procureis explorar os abismos do vosso saber
com a vara ou com a sonda, pois

o eu é um mar sem limites e sem medida.

Não digais: "Encontrei a verdade",mas antes:
"Encontrei uma verdade."
Não digais: "Encontrei o caminho da alma." Mas antes:
"Cruzei-me com a alma que seguia pelo meu caminho."
Pois a alma percorre todos os caminhos.

A alma não caminha sobre uma linha
nem se alonga como uma vara.
A alma abre-se a si própria
como se abre um lótus de inúmeras pétalas.

Khalil Gibran
in O Profefa (trecho)

Um comentário:

  1. Olá Sueli! Passei para te desejar uma bela semana, cheia de muita paz, saúde e felecidades.

    Parabéns pela escolha. Um belíssimo texto.

    Beijos,

    Furtado.

    ResponderExcluir