quinta-feira, 15 de outubro de 2009

CAMINHOS

Finalmente, a liberdade!
Dois caminhos foram traçados
Posso vê-los daqui, do alto
São estradas sinuosas, imperfeitas
De vida transbordante, onde a vegetação ainda aparece aqui, acolá
(Que palavra mais estranha! - acolá - poderia mesmo ser o nome de um fruto suculento, de cor vermelha, casca lisa, doce.
Não! Isso já existe e se chama ameixa)

Por mais que eu deseje, não estou voando....
Vejo tudo com o poder da imaginação
Flores nasceram onde os caminhos se cruzaram
Talvez tivessem brotado por razão de um sentimento que lá existiu
Num canto, sob uma árvore imensa, um banco abandonado
Símbolo das horas que se foram
Noites, madrugadas.
Longas conversas silenciosas.
Desejos.

Impossível retroceder.
Tudo vive agora na memória.
A partir daquele ponto,
somos linhas paralelas.
E tudo é como deve ser.


Sueli

Um comentário:

  1. Olá amiga! Alguma coisa me diz que existe um pouco de amargura e de tristeza neste teu post. DEUS permita que eu esteja enganado, pois jamais me perdoaria, pelo simples fato de me sentir impotente e sem nada poder fazer.

    Beijos e um ótimo final de semana com muita paz, saúde e felicidade.

    Furtado.

    ResponderExcluir