segunda-feira, 19 de julho de 2010

Degelo


Posso sentir os cristais se desfazendo, se entregando ao novo, ao depois.
Lá fora não é mais tão frio.
Nem tudo é tão quieto como pensei, meus ouvidos estavam fechados.
Meus olhos, minha boca.
As pequenas gotas escorrem e minha língua sente o frescor úmido da manhã.
A claridade ainda me perturba.
Mas é preciso abrir os olhos para ver as cores.
Que saudades dos amarelos, azuis, vermelhos!
Preciso de música.
Despertar novamente para os sons.
Novo ritmo, nova harmonia, novos acordes.
Dançar!
Ouvir a própria voz: doce, vibrante.
Ou apenas sensíveis sussurros.
Gritar de alegria, paixão!
Explodir em movimento. Girar. Correr.
Mergulhar em águas doces.
Sentir o vento, a chuva, o calor.
Simplesmente viver.
Amar!
Sueli